Luxúria - O Dilema de uma Mãe - A Família ou o Prazer - Parte 3




By Pensador Urbano




Continuando...


Neli teve um final de noite terrível porque tinha uma decisão séria a tomar. Muito nervosa com aquela situação, pensou em contar tudo para sua família, mas seu estresse fez com que brigasse com seu marido e seus filhos que a chamaram de chata, por causa do estresse, e que ela deveria procurar algo para fazer...

Aquilo deixou a Neli muito magoada e pensativa sobre sua vida, e ao se deitar na cama a noite, antes de dormir ela falou para si mesma:

-Minha decisão está tomada! Seja lá o que Deus quiser...

No dia seguinte, uma chuva torrencial caía. Na esquina da casa de Neli, havia uma padaria e lá estava Esteban, tomando um café e observando de longe o movimento da casa. Meia hora depois, ele vê Seu José e os filhos de Neli saindo de carro para o trabalho e vê também que a própria Neli, foi quem abriu o portão para eles e, assim que o carro saiu da garagem, ele viu que a Neli, do portão, olhou para um lado e para o outro como se tivesse procurando alguém e entrou...

Esteban tomou seu café tranquilamente e 20 minutos depois, foi em direção a casa. Eram 7h30 da manhã, Esteban chegou em frente à casa, chamou e ninguém atendeu, quando encostou no portão, viu que ele estava apenas encostado...

 Entrou!

Foi entrando no quintal e chegou na casa, onde chamou por ela e nada. Quando mexeu na maçaneta da porta, viu que ela estava só encostada também...  

Ele riu:

- Kakakaka..., que safada! Ela já deixou aberta...

Esteban entrou na casa, havia um silêncio ensurdecedor e ele foi até ao quarto de Neli e José. Ao chegar lá, o quarto estava escuro, assim que ele ascendeu a luz, o susto!

Neli estava só de calcinha e sutiã deitada na cama... Neli já era uma coroa, tinha seus 56 anos, morena, cabelos curtinhos e pretos, tinha seios fartos e até um pouco caídos, muito pouco..., estava meio fora de forma, tinha um abdome firme, sem barriga alguma, e tinha quadris largos, coxões e um rabão grande e carnudo, uma típica dona de casa absolutamente em forma. Ela se virou e disse:

-Você demorou, seu filho da puta!

- Ah vadia, eu sabia que você queria!

- Safado, filho da puta...

Esteban viu como uma provocação e foi tirando sua roupa até ficar nu, sua rola já estava dura e pronta para a ação. Ele se deitou sobre Neli, e caiu de cara nos seus seios. Neli percebeu que aquele era um caminho sem volta, e ao ver aquele homem viril sobre ela, seu prazer falou mais que o amor pela sua família.

Ela retribuiu, pela primeira vez, ao beijo dele, se beijaram de língua, de forma ardente e, a encheu de beijos ou amassos, Esteban pegou firme naqueles coxões, e insaciável, avisou:

- Agora, sua putinha gostosa, tu vais sentir minha força, vadia! Eu vou meter muito, nessa sua buceta!

E sem perder tempo, empurrou para o lado a calcinha de Neli e sem esperar, foi enfiando a rola aos poucos na boceta cabeluda de Neli...

Ela arregalou seus olhos e abriu sua boca, sentindo uma dor imensa. Neli nunca tinha sido penetrada por uma rola tão grande e grossa, e era a 1ª rola que ela levava, desde seus 20 anos. Tudo era novo. Esteban foi estocando tudo bem de leve, e foi dando as primeiras metidas.

Neli com as pernas abertas não sabia o que fazer, se chorava ou gritava de dor, quando Esteban conseguiu estocar tudo disse a ela:

-Agora..., sua gostosa, eu vou te foder muito, como você precisa e merece! Aaaahhhh!

Ele começou a socar fortemente na xoxota dela, num ritmo alto e acelerado que deixou a coroa completamente enlouquecida. Ele bombava com violência, parecia que sua xoxota iria estourar. Neli segurava o gemido, mas estava insuportável, Esteban gritava para que ela gemesse, e Neli segurava os gemidos. Mas quando Esteban emendou uma socada mais forte, em sua boceta, ficou impossível para ela:

-Aaaahhhh! Uuuhhh! ...

-Geme safadaaáá! Eu vou te dar mais rola ainda, sua putinha gostosa...

-Aaaiiii, seu desgraçadoôô gostoso! Ui, ui, que pau grande!

Era possível perceber os litros de porra que saiam na xota, e a sequência de bombadas dadas por Esteban. Neli ficou que nem um frango assado, tomando rola de Esteban, e já tinha conseguido se acostumar com aquela rola do pedreiro. Fazia um calor muito grande ali no quarto, e eles se beijavam muito! Enquanto o Esteban botava a rola para dentro de Neli, suados eles deram uma parada para descansar.

Neli se levantou e ligou o ventilador de teto, e aproveitou para tirar seu sutiã, explodindo seus seios para fora, para delírio total do Esteban!

-Puta que pariu, que peitinhos deliciosos, minha gostosa! Mais que delícia! Vem, sua tesuda...

Neli se deitou por cima de Esteban e os dois se beijaram e, bem excitada, a Neli pegou na rola do pedreiro e colocou em sua boceta, e naquele momento, aquela dona de casa. Que até então era fiel e tinha o controle da situação, começou a cavalgar com aquele rabão grande e delicioso, apesar das estrias, sobre o pau de Esteban.

Ali, em cima da cama, onde dormia com seu marido, a Neli já nem lembrava de sua família e sim, sentia só o prazer enorme que aquele cacetão estava lhe proporcionando, enquanto seu rabão delicioso, engolia o pau de seu amante!

Esteban gemia de prazer, e com as duas mãos espalmadas, apertava firme as nádegas de Neli.

Esteban:

-Vai, minha putinha gostosa, rebola no meu pau!

Neli:

-Aaaahhhh..., seu cachorrão gostoso!

Flopt, flopt, flopt, flopt! Ecoava o som de Neli quicando sobre as bolas de Esteban. Ele começou a dar tapas no rabão dela, que respondia acelerando o ritmo das cavalgadas... Esteban se encaixou de frente para Neli, e recomeçou a mandar ver de novo, na coroa e o vai e vem era intenso, a coroa já não disfarçava, estava completamente entregue ao pedreiro.

O suor dos seus corpos se misturavam, o cheiro de sexo exalava pelo quarto e poças de porra podiam ser vistas na cama. Ainda deu tempo de eles fazerem um 69 delicioso, Neli nunca havia chupado um pau, com tanta vontade, ela se deliciou naquele pau grosso, áspero e cabeçudo..., chegando quase a engasgar vez ou outra...

Já Esteban, chupou sem piedade a boceta da coroa, e quando chegou no clitóris, a Neli urrou:

- Oooohhhhhh! Uh, seu puto! Uh! Que delícia, huuummm...

Ela deixou ele chupar com tudo, e ele se deliciava, enquanto ela virava os olhos e apertava seus seios, num sinal de excitação pura...

No estilo papai e mamãe, Esteban meteu mais rola em Neli, fazendo a coroa delirar nos seus braços e encher aquela bocetona de porra...

Os dois caíram exaustos na cama, com a respiração ofegante, suados, extasiados... Neli virou e disse a ele:

-Saia daqui... O que aconteceu hoje, morre aqui!

E Esteban, olhando carinhosamente nos seus olhos, respondeu:

-Tudo bem... estarei sempre à sua disposição, sua gostosa!

- Vai a merda!

Após Esteban sair, Neli ficou ali deitada, nua, em êxtase, sem saber ao certo o que tinha feito e qual seriam seus próximos passos... O que iria acontecer? Qual seria a atitude de Neli, perante sua família e do pedreiro?

Essas dúvidas irão ser respondidas no próximo capitulo...

Comentem!

Um abraço caprichado!


Comentários

Postagens mais visitadas